terça-feira, 22 de maio de 2012

Análise da Conversação - Transcrição de Conversa


TRANSCRIÇÃO DE CONVERSA

(Contexto da conversa: E, neta e V, avó conversam sobre a família)



            ...

          E – uma pena né”
V – é (+) é uma pena (+) (incompreensível) (+) quando... É:... que eu tinha mais SAÚDE: né” Num fartava um neto aqui em casa (+) agora que eu sofro com as vistas ruim, não tem neto, não tem bisneto (+) (incompreensível)
E – também né’ vó todo mundo cresceu, cresceu (+)
V - [É:::]
E - (incompreensível) todo mundo foi trabalhar.
V – é (+) todo mundo cresceu, todo mundo foi trabaiá: quando U (+) u Ego (+) era (+) mais piqueno (+) u Ego num deixava eu (+) sozinha
E – ele tá trabalhando”
V – TÁ:: (+) ta’ despois cresceu (+) i pego a idade e foi trabaiá, pronto
E – e o Vini não vem aqui’ não”
V – o Vi vem (+) vem mais é di dia’ mais num É:: (+) cuma u (+) u Ego não.
E – não’ né"
V – não’ U Ego a a mãe dele saia (+) assim (+) era o Ego e o Sila, num deixava eu pá acumpanhá a mãe deles não (+)
E – ((rindo))
V – ficava comigo (+) a mãe pudesse saí (+) o pai (+) e eles num saía (+) eles num:: (+) eles num: deixava eu pá acumpanhá eles não (+) ficava comigo’ o VENICIO não (+) o Venício (=Vinicius) (+) a mãe dele (incompreensível) (+) ONDE:: a mãe dele vai ele vai de lado.
E – ah, ele vai junto né"
V – É (+) mais U:: Sila (+) e U: Ego foram criado comigo desde pequenininha, são apegado comigo (+)
E – e a Raissa’ não vem aqui’ não”
V – a Raissa AGORA (+) vem de dia
E – porque ela está grandinha, ela consegue vir sozinha né"
V – é’ agora ela tá grandinha (+) hm (incompreensível) só quer vir sozinha (+) chega aqui bisa*
E – ((rindo))
V – eu vim tomá conta da sinhora, vissi”*
E – ((rindo)) daquele tamaninho”
V – daquele tamaninho’ bisa, ó (+) mas tenha cuidado:: pra subir aqui na porta* num é” chegue* (+) ai ela pega na minha mão
E – ((rindo))
V - cuidado (+) cuidado pra não caí* (+) eu digo num vô caí não
E – toda meiga né"
V – é:: (+)

/.../

V – CUNVERSA que só um adulto
E – a Raissa né"
V – a:: (+) a Gabi
E – a Gabi de quem”
V – do Pedro
E – ah’ é” conversa assim”
V – CUNVERSA: minha fia. E CUNVERSA (+) (incompreensível) que só um adulto
E – a Gabi tá com quantos aninhos” dois já”
V – TREIS fia
E - três JÁ”
V – treis (+) já
E – Ave Maria, como o tempo passa
V – treis::: (7,0) treis anos e é da-nada
E – eu não vi mais ela’ ela continua a cara da Tia Cí”
V – é: minha fia
E – ela nasceu a cara da Tia Cí né"
V – é (+) o Toinho tava aqui i ela chegou ai o Toinho (+) hm (incompreensível) Você me conhece” * ela (+) ela cunheço (+) cunheço* o que é que eu sou seu”* é meu tio*
E - ((rindo))
V – ((rindo)) é meu tio*

...

OBSERVAÇÕES:
            * As frases em itálico equivalem a quando V. reproduz a fala de outra pessoa.


ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO
  • Recursos utilizados na transcrição da conversa

           No caso de falas simultâneas, utilizam-se colchetes duplos no início do turno simultâneo – [[, o que não foi necessário, pois não ocorreram falas simultâneas nesta conversa.
Quando as vozes se sobrepõem em certo ponto do turno e não no começo, como no caso das falas simultâneas, é utilizado um colchete apenas[, o que não aconteceu.
Para sobreposições localizadas, utilizam-se um colchete abrindo e outro fechando – [ ]. Como por exemplo, no trecho:
E – também né’ vó todo mundo cresceu, cresceu (+)
V - [É::: ]

As pausas ocorreram com freqüência. Em pausas pequenas usamos o sinal + entre parênteses: (+) para cada 0.5 segundo. Exemplo:
V – treis (+)

Para as pausas de mais de 1.5 segundo, cronometradas, indica-se o tempo:
V – treis::: (7,0)

Em caso de dúvidas e suposições marca-se o trecho entre parênteses, indicando a expressão “incompreensível” ou então escrevendo entre os parênteses o que se supõe ter ouvido. Exemplo:
E - (incompreensível) todo mundo foi trabalhar.

Para os truncamentos bruscos pode-se marcar o fato com uma barra - /. Isto pode acontecer quando um falante corta uma unidade ou quando alguém é bruscamente cortado pelo parceiro. Isto não aconteceu na conversa apresentada.
Quando o falante pronuncia uma sílaba ou palavra com ênfase ou quando a palavra recebe acento mais forte que de costume, escreve-se o trecho com maiúsculas. Exemplo:
V – a Raissa AGORA (+) vem de dia

Nos casos de alongamento de vogal, utilizam-se dois pontos - :: no trecho em que isto ocorre:
V – é:: (+)

Quando são expostos os comentários do analista, utilizam-se parênteses duplos no local da ocorrência ou imediatamente antes do segmento a que se refere. Exemplo:
E – ((rindo)) daquele tamaninho”

Em partes onde há silabação, usam-se hífens indicando a ocorrência. Exemplo:
V – treis anos e é da-nada.

Os sinais de entonação aparecem em três formas distintas:
Aspas duplas, para uma subida rápida (como nas interrogações) Exemplo:
E – e o Vini não vem aqui’ não

Aspa simples, para uma subida leve (como uma vírgula ou ponto-e-vírgula). Exemplo:
E – não né"


Aspa simples abaixo da linha, para descida leve ou brusca. Exemplo:
E – ah, ele vai junto né"

Nas partes onde há repetição, reduplica-se a letra ou a sílaba. Exemplo:
V – não’ U Ego a a mãe dele saia (+) assim (+) era o Ego e o Sila, num deixava eu pá acumpanhá a mãe deles não (+)

Para os casos de pausa preenchida, hesitação ou sinais de atenção, utilizam-se as reproduções de sons. Como, por exemplo:
E – ah’ é” conversa assim”

E finalizando a parte de transcrição, para indicação de transcrição parcial, as reticências no início e no final indicam que apenas um trecho está sendo transcrito, como no caso desta conversa. Já as reticências entre duas barras indicam um corte na produção de alguém, como também ocorre nesta conversa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário